sábado, 16 de junho de 2012

"com a cabeça nas núvens e os pés no chão"

Estou sempre com a cabeça cheia, cheia de coisas que dariam bons textos, se fossem reflexões completas, não costumo escrever fragmentos pois minha tendência é nunca completá-los, ou pior, a esquecê-los, mas pego-me aqui em meu quarto com o sono interrompido por um despertador que esqueci de desligar e com o cérebro se recusando a entrar em stand-by.
Decidi então falar sobre coisas que me vem ocupando a mente nos últimos dias e principalmente noites, é tanta coisa que nem sei por onde começar. Pelos sonhos talvez? Tenho tido sonhos dignos de Hollywood, diversas coisas acontecendo ao mesmo tempo em diversos cenários com diversas pessoas, um corre-corre de filme de ação com direito a perseguição sabe-se lá de quem. Vi fatos, locais e pessoas de minha infância misturados com os de minha vida atual, talvez pelo fato de andar bastante saudosista nos últimos tempos. Ando me sentindo só, porque realmente tenho passado muitas horas sozinha, nessas horas, curiosamente, eu sinto muito mais falta das pessoas que não vejo há muito tempo do que das que mais me fazem companhia, é nessas horas que me acabo de rir cheia de lágrimas nos olhos me lembrando das conversinhas nos corredores do colégio, daquelas rodinhas em que surgia todo tipo de assunto, saudade de quando eu achava estressante a vida dura da escola, saudade de quando aquilo era ter uma vida dura. Sinto saudade da infância, andar de bicicleta, brincar de boneca no quintal inventando verdadeiras histórias de novela, gastar caixas e mais caixas de lápis de cor... É engraçado, naquela época vivíamos 6 em uma casa bem menor do que a que hoje vivemos apenas 3, talvez por isso acabe me sentindo só, pelo menos ainda vejo meus irmãos mais velhos toda semana.
Nesses dias de saudade não pude deixar de dar espaço para a minha maior saudade: meu pai. Meu pai foi a pessoa mais feliz que eu já conheci e geralmente eu sorrio quando penso nele, apenas uma lembrança (que na verdade é um conjunto) me faz chorar, e me fez chorar esses dias. Certa vez, quando era pequena me espalhei no sofá junto com ele na hora da novela e encostei minha cabeça em seu peito, quando falei da força com que o coração dele batia ele me respondeu que era a força do amor dele por mim. Cresci com o costume de assistir a qualquer novela que passasse à noite junto com ele, na mesma posição, ouvindo seu coração, em nenhuma outra ocasião eu me sentia tão amada. Infelizmente eu só me dei conta da importância que esse velho costume tinha pra mim depois que ele morreu, e é por isso que eu choro, pois esta saudade vem mesclada com tristeza.
No mais tenho deixado os pensamentos tristes de lado e tentado focar meu cérebro que acha mesmo que estou de férias e posso me dar ao luxo de ficar engordando na frente de um computador jogando Song Pop, dai vem a ânsia por leituras, por exercícios físicos e por criação, meu cérebro pede pra criar e pra isso preciso de corpo e mente saudáveis... O desafio é, sair do fundo do poço e ligar minhas baterias no 220, adeus ócio!

11 comentários:

KGeo disse...

bom texto, e continue escrevendo os seus pensamentos

S. W. disse...

Vocabulário lindo. E Engenheiros, awm. <3

Fernando disse...

Adorei o texto, vc escreve com o coração, adoro blogs tipo o seu, com pensamentos, poesias, gosto muito, sucesso!

http://temtudomega.blogspot.com
siga tbm o meu blog, comente e CURTA no facebook

Wellington disse...

Olá Raquel, em resposta ao seu comentário em meu blog escrevi:

"Muito obrigado pelo comentário, elogios e pela visita Raquel! =)
Volte sempre! =D"

Abraços! =)

http://neowellblog.wordpress.com

Abraão Braga disse...

Olá,Moça! Parabéns pelo seu blog,gostei,inclusive nome e tudo muito criativo! já estou seguindo,poderia retribuir no meu? obg
http://AB-Blogr.blogspot.com.br/

Post Publico disse...

Eu li seu texto todo, e me lembrou aquela velha frase, só valorizamos quando perdemos. e valorizamos mais ainda essa frase, quando acontece isso com nós. Tambem morei em uma casa pequena e sinto falta da escola, parece que por mais que tivessse do melhor não tem valor, porque por dentro está vazio sabe, e quando não tinha nada tinha tudo porque tinha pessoas.enfim desculpa por desabafar no seu texto =/

soledade ramos disse...

lindas palavras raquel....

Raquel S. Ramos disse...

Obrigada sol (:

katia G. disse...

Parabéns Quel, seus textos são ótimos, mesmo que vc se sinta sozinha de vez em quando saiba que nunca estarás, basta um pequeno grito que estaremos com vc, hoje e sempre por toda eternidade. Te amo muito prima e mesmo longe não deixo de rezar e pensar em vocês ai, se não posso estar mais perto pessoalmente, saiba que em espirito e pensamento estou colada em vc. BJAO.

Raquel S. Ramos disse...

ow Kátia, valeu prima, te amo

Tudo Misturado disse...

Uau parabéns ....Li todo amei bela mensagens *--------*