segunda-feira, 24 de março de 2014

Sem Medida

Estou há quase um mês planejando e tentando frustradamente fazer o videocast de fevereiro, porque eu quero muito responder os comentários das postagens de fevereiro. Acabo de reparar que estou na última semana de março e não consegui gravar o vídeo de fevereiro e por conta das tentativas frustradas de fazer o vídeo, acabei não postando nada esse mês. Vamos fazer assim então, vou postando nessa última semana e depois faço um vídeo só pra fevereiro e março, dedinhos cruzados pra dessa vez dar certo.

Mas vamos ao assunto de hoje. Segunda é dia de falar de música aqui no blog, e eu escolhi pra hoje a faixa dois do segundo disco de Pélico, "Que Isso Fique Entre Nós" (2011), e a música é "Sem Medida". A música segue o mote romântico que marca todo o disco, que conta ainda com outras músicas lindas como "Não Éramos tão Assim" e "Que Isso Fique Entre Nós", regravada em 2013 no disco "O Mais Feliz da Vida" d'A Banda Mais Bonita da Cidade. "Sem Medida" tem uma letra profunda e sentimental com versos fortes como "Onde mora o prazer, a compaixão é o pecado". Tem o tipo de letra que poderia ser recitada e poderia constar facilmente num livro de poemas, mas que fica ainda melhor acompanhada de sua música suave ainda que marcada pelas batidas da percussão, além da voz apaixonante de Pélico.
Eis a música:





Por falar em voz apaixonante, como não se apaixonar perdidamente pela voz do Filipe Catto? Não, eu não estou saindo do assunto da postagem, é que "Sem Medida" foi regravada por Filipe Catto em seu Ao Vivo "Entre Cabelos, Olhos & Furacões", e o resultado foi essa versão linda:




E assim, termina mais um Faixa Dois, até próxima postagem e torçam por mim, tchau.

5 comentários:

Fábio Alves disse...

A música não faz o meu estilo, mas a postagem tá bem legal.

Gabriel disse...

"Onde mora o prazer, a compaixão é o pecado
Não se medem devaneios com você"

Que construção fantástica. É um estilo de música bem peculiar, mas que eu estou bastante habituado. Na parte antiga aqui da cidade onde moro, os bares noturnos sempre tocam esse estilo de dúvida, e de certo eu já devo ter escutado o Pélico (não conhecia) sem saber.

Jessica B. Laviere disse...

De uns tempos para cá,estou tentando não me prender a nenhum rótulo musical,e me dando a oportunidade de conhecer outros estilos,tenho me surpreendido com gente de muito talento em várias vertentes,e essa do Filipe me agradou bastante.

Victor Lourenço disse...

Bela música. Qualidade rara comparada ao monte de porcaria vista ultimamente.

Almir Ferreira (Panorâmica Social) disse...

Assim como o Fabio Alves disse, não é bem o meu estilo favorito, mas não dá pra negar que a música é de qualidade.
Não conhecia, valeu a recomendação ;)